Anúncios

Um desastre relacionado ao tempo, clima ou à água ocorreu todos os dias em média nos últimos 50 anos, matando 115 pessoas e causando US $ 202 milhões em perdas diárias, de acordo com um novo e extenso relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM) divulgado hoje.


O número de desastres aumentou cinco vezes ao longo do período de 50 anos devido às mudanças climáticas, condições climáticas mais extremas e dados mais aprimorados, entretanto devido aos alertas meteorológicos e ao gerenciamento de desastres que foram aprimorados o número de mortes diminuiu quase três vezes no período. De acordo com o Atlas de Mortalidade e Perdas Econômicas da OMM por Tempo, Clima e Extremos de Água (1970-2019), houve mais de 11.000 desastres relatados atribuídos a tais riscos em todo o mundo com mais de 2 milhões de mortes e 3,64 trilhões de dólares em perdas.

O relatório é a revisão mais abrangente da mortalidade e perdas econômicas por tempo, água e extremos climáticos até hoje. O documento avalia um período de 50 anos assim como as tendências por década. De 1970 a 2019, os riscos meteorológicos, climáticos e hídricos foram responsáveis ​​por 50% de todos os desastres, 45% de todas as mortes relatadas e 74% de todas as perdas econômicas relatadas. Mais de 91% das mortes ocorreram em países em desenvolvimento (usando a Classificação de Países das Nações Unidas).

Dos dez principais desastres, os eventos que levaram às maiores perdas humanas durante o período foram secas (650 000 mortes), tempestades (577 232 mortes), inundações (58 700 mortes) e temperaturas extremas (55 736 mortes). As mortes caíram quase pelo triplo de 1970 a 2019. O número caiu de mais de 50.000 mortes na década de 1970 para menos de 20.000 na década de 2010. As décadas de 1970 e 1980 relataram uma média de 170 mortes relacionadas por dia. Na década de 1990, a média caiu em um terço para 90 mortes relacionadas por dia e continuou a cair na década de 2010 para 40 mortes relacionadas por dia.

Com relação às perdas econômicas, os 10 principais eventos incluem tempestades (521 bilhões de dólares) e inundações (115 bilhões de dólares). Durante o período de 50 anos, 202 milhões de dólares em danos ocorreram em média todos os dias. As perdas econômicas aumentaram sete vezes entre os anos de 1970 e 2010. As perdas relatadas de 2010–2019 (383 milhões por dia em média ao longo da década) foram sete vezes o valor relatado de 1970–1979 (49 milhões). Tempestades foram a causa mais comum de danos, resultando nas maiores perdas econômicas em todo o mundo. É o único risco que está aumentando continuamente. Três dos dez desastres que trouxeram mais prejuízos econômicos ocorreram em 2017: furacão Harvey (96,9 bilhões), furacão Maria (69,4 bilhões) e furacão Irma (58,2 bilhões). Apenas estes três furacões foram responsáveis ​​por 35% das perdas econômicas totais dos dez maiores desastres em todo o mundo de 1970 a 2019.

De acordo com estudos revisados ​​por pares no suplemento anual do Boletim da Sociedade Meteorológica Americana, no período de 2015 a 2017, 62 dos 77 eventos extremos relatados mostram uma influência humana significativa. Quase todos os estudos de ondas de calor significativas desde 2015 descobriram que a probabilidade foi significativamente aumentada pela mudança climática antropogênica (causada pelo ser humano). A atribuição de eventos de seca a fatores antropogênicos não é clara quanto a ondas de calor devido à variabilidade natural causada por grandes oscilações oceânicas e atmosféricas, como El Niño e La Niña. Mesmo assim, a seca de 2016/2017 na África Oriental foi fortemente influenciada pelas altas temperaturas da superfície do mar no Oeste do Oceano Índico, para o qual a influência humana contribuiu.

As mudanças climáticas aumentaram os eventos extremos ao nível do mar associados a ciclones tropicais, o que levou a um aumento da intensidade de outros eventos extremos associados aos ciclones como inundações. Foi o que fez crescer a vulnerabilidade de megacidades de baixa altitude, deltas de rios, regiões costeiras e ilhas em muitas partes do mundo.

Um número crescente de estudos também está descobrindo a influência humana em eventos extremos de chuva, às vezes em conjunto com outras forçantes climáticas importantes, como El Niño e La Niña. Entre os exemplos estão as chuvas extremas no Leste da China em junho e julho de 2016 e o ​​furacão Harvey, que atingiu Houston, Estados Unidos, em 2017.

Em todo o mundo, 44% dos desastres foram associados a inundações e 17% decorreram de ciclones tropicais. Os ciclones tropicais e as secas foram os riscos mais prevalentes no que diz respeito às perdas humanas, respondendo respectivamente por 38% e 34% das mortes relacionadas com desastres de 1970 a 2019. Em termos de perdas econômicas, 38% estiveram associadas a ciclones tropicais.


Na América do Sul, os dez maiores desastres registrados na região foram responsáveis ​​por 60% do total de vidas perdidas (34.854) e 38% das perdas econômicas (39,2 bilhões de dólares).

Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

As inundações representam 90% dos eventos na lista dos dez principais desastres por número de mortos no território da América do Sul e 41% na lista dos dez principais eventos por perdas econômicas. No geral, as enchentes causaram o maior número de desastres (59%), a maior perda de vidas (77%) e a maior perda econômica (58%) para a região no período de 50 anos.

Anúncios