Anúncios

Pela quarta semana seguida o boletim semanal da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos apontou anomalia de temperatura da superfície do mar em patamar de El Niño no Pacífico Equatorial Central (região Niño 3,4) com +0,9ºC. É a maior anomalia até agora.


Com isso, é cada vez mais provável que a NOAA declare um evento de El Niño no decorrer de novembro. Como as anomalias no Pacífico Leste hoje estão em +0,3ºC, logo dentro do terreno da neutralidade, o evento que se acredita ser iminente tem características de El Niño de Pacífico Central, logo não na sua forma clássica, o que explica o Rio Grande do Sul não estar registrando chuva muito acima da média neste outubro até agora, como poderia se esperar se o El Niño fosse clássico.

O que chama atenção é que as saídas dos modelos de clima dos últimos 15 a 30 dias estão a indicar que o pico do evento de El Niño se daria entre fevereiro e abril, o que foge e muito ao convencional que é o aquecimento do Pacífico ter seu auge no fim do mês de dezembro e primeiros dias de janeiro.

Além disso, passaram a indicar que o evento seria mais forte, podendo ser moderado na intensidade, com algumas simulações apontando até um episódio forte do fenômeno com anomalias no Pacífico Central de 1,5ºC a 2ºC.

Se o Pacífico Leste aquecer mais nos próximos três meses se terá um El Niño clássico e a chuva aqui no Estado aumentará bastante com a perspectiva de parte do verão e o outono terem chuva com acumulados excessivos e enchentes.


Por outro lado, mantendo-se o cenário atual de um aquecimento maior no Pacífico Central as características do El Niño fugirão ao tradicional e a chuva pode ser irregular em parte do Rio Grande do Sul. Não há um consenso ainda dos dados quanto às características deste evento de El Niño se instalando no Pacífico.

Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

 

Anúncios