Anúncios

O UNICEF alertou ser fundamental evitar uma crise de saúde na América Central, que se soma à da COVID-19, devido à falta de acesso à água potável para milhares de pessoas após a passagem de dois poderosos furacões e solicitou que 46 fossem alocados com urgência 2 milhões de dólares para atender a mais de 640.000 afetados.

Muitas famílias que perderam tudo, primeiro por causa da fúria do furacão Eta e depois por causa de Iota, não têm acesso à água potável, tanto em suas comunidades devastadas quanto nos abrigos onde estiveram tomadas. Já há casos de malária e hepatite notificados em vários abrigos. 


 

“As crianças e adolescentes que sobreviveram aos dois furacões agora correm o risco de morrer de doenças transmitidas pela água e outras doenças infecciosas”, disse o diretor regional do Unicef ​​para a América Latina e o Caribe, Bernt Aasen, em um comunicado.

Milhares de pessoas permanecem em abrigos após a passagem do Eta e Iota, que deixou pelo menos duzentos mortos, desaparecidos e graves danos à infraestrutura e à agricultura nos países da América Central, uma região historicamente pobre já devastada econômica e socialmente pela nova pandemia de coronavírus.

O Unicef ​​disse que cerca de 4,6 milhões de pessoas, incluindo 1,8 milhão de menores, foram atingidas na América Central pelo Eta, que deixou “necessidades imensas e que muito provavelmente continuarão a aumentar depois de Iota”. 


Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

O UNICEF tenta obter 42,6 milhões de dólares “para atender às necessidades humanitárias mais críticas de mais de 646.000 pessoas, incluindo 327.000 crianças, repetidamente afetadas por enchentes e deslizamentos de terra em Honduras, Nicarágua, Guatemala e Belize”.

Anúncios