Anúncios

Balão meteorológico é lançado para coleta de dados por sondagem da atmosfera em base antártica da Argentina | SERVIÇO METEOROLÓGICO NACIONAL/DIVULGAÇÃO

Uma equipe de inspetores, técnicos e meteorologistas do Serviço Meteorológico Nacional (SMN) chegou à Antártida no quebra-gelo ARA Almirante Irízar e iniciou uma série de trabalhos de revisão e instalação de instrumentos na base antártica Carlini. A equipe visitará outras bases permanentes (Marambio, San Martín, Orcadas, Esperanza, Belgrano II e Petrel) durante os 120 dias da Campanha Antártica de Verão.

“Nossa função é ir às bases permanentes levando instrumentos novos como barômetros e termômetros, calibrando os já existentes, verificando se tudo está em condições e treinando o pessoal”, explicou à agência de notícias Télam o suboficial principal da Força Aérea Andrés Urbano, natural da localidade cordobesa de Mayú Sumaj, membro do Observatório Geofísico e Meteorológico de Pilar (Córdoba) do SMN e inspetor coordenador das estações meteorológicas antárticas.


Há mais de um século, o SMN está presente no continente branco, onde mede diariamente variáveis meteorológicas e geomagnéticas que permitem conhecer o estado da atmosfera e as mudanças que ocorrem ao longo do tempo.

Cada base permanente possui uma estação meteorológica enquanto o restante está em campos de observação ao ar livre. Os parâmetros mais importantes medidos incluem temperatura, pressão, direção e intensidade do vento, umidade, visibilidade e nebulosidade.


Os dados são registrados e transmitidos por observadores meteorológicos de cada base para um escritório de previsão no centro meteorológico Marambio, que coleta as informações e as retransmite para o continente. “Sempre deve haver pessoas na medição porque a estação automática não registra a visibilidade, nem a nebulosidade”, acrescentou Urbano.

O trabalho científico e logístico nas bases antárticas argentinas utiliza dados meteorológicos para realizar suas atividades. “Os biólogos que estudam pinguins em Marambio, por exemplo, precisam conhecer o estado das marés e a temperatura do mar, pois a base está localizada como numa meseta”, explicou à Télam o engenheiro eletrônico Francisco Quarín, que trabalha no setor instrumental da sede central do SMN em Buenos Aires e tem a experiência anterior de ter passado um inverno em Marambio.

Uma de suas principais tarefas nesta campanha será instalar sensores de temperatura e umidade para a estação automática da Base Carlini, administrada pela Direção Nacional do Antártico (DNA) e pelo Instituto Antártico Argentino (IAA).

Embora no país e no continente americano estejam sendo instaladas estações automáticas, o SMN detectou que no Setor Antártico Argentino havia sensores que não eram adequados a esse território e, “graças a uma licitação, estão entrando no país estações automáticas adaptadas, que é muito provável que, na próxima campanha ou na seguinte, sejam instaladas em todas as bases”, adiantou Urbano.

O suboficial ajudante Diego Alejandro Vega esclareceu que “sempre é necessário uma pessoa para coletar os dados”. Isso se deve ao fato de que, para certificar que os dados meteorológicos oficiais, é preciso que um ser humano faça isso e não uma estação automática ou um satélite, explicou.

Além disso, o especialista em geomagnetismo e eletrônica do SMN, Juan Carlos Gil, enfatizou que “a chave de todos os dados meteorológicos e geomagnéticos é a continuidade: medir sempre da mesma forma no mesmo local, o que permite fazer previsões”.

Na base de Orcadas Jésica Daiana Tripicchio passará o inverno deste ano cumprindo o papel de observadora meteorológica do SMN e da Força Aérea. “Todos os dados que coletamos na Antártida são úteis, por exemplo, para quem estuda as mudanças climáticas “, disse.

Tripicchio será responsável por coletar diferentes dados, como vento, temperatura, umidade, precipitação, visibilidade e nebulosidade. “Tomo todos esses dados com certos parâmetros, com marcas de 500 e 2500 metros. A nebulosidade é registrada por estimativa. Já temos o olho treinado porque olhamos para uma nebulosidade e sabemos a que altura está e os diferentes tipos de nuvens”, explicou.

Esses dados coletados são inseridos em sistemas numéricos compartilhados com a comunidade meteorológica internacional e depois traduzidos para a sociedade através do SMN, que cuida da divulgação. “Ir à Antártida para mim é uma meta, nem todo mundo pode ir, é algo único e um orgulho estar lá. Além disso, vou à base mais antiga que completará 120 anos e a paisagem é linda: tem flora e fauna, é muito bonito”, concluiu Tripicchio.

A MetSul Meteorologia está nos canais do WhatsApp. Inscreva-se aqui para ter acesso ao canal no aplicativo de mensagens e receber as previsões, alertas e informações sobre o que de mais importante ocorre no tempo e clima do Brasil e no mundo, com dados e informações exclusivos do nosso time de meteorologistas.

Anúncios