Tempestades severas com vento destrutivo atingiram na tarde da sexta-feira (14) o Oeste e o Meio-Oeste de Santa Catarina, trazendo muita destruição e vítimas. Mais de quatro mil residências e prédios tiveram danos e onze pessoas ficaram feridas, duas com gravidade. Uma dezena de municípios foi muito atingida, destacando-se as localidades de Tangará, Água Doce, Lacerdópolis, Ibicaré, Irienópolis e Catanduvas.

Os maiores estragos foram observados nas cidades de Água Doce, onde os danos foram extensos na área central, e em Tangará que teve até caminhões tombados e virados pela força do vento (foto). Prédios e casas foram destelhados. Estruturas como galpões e ginásios desabaram.

Alguns destes municípios foram atingidos por tornados. Já no momento inicial, quando das primeiras imagens dos estragos, já se poderia concluir que ao menos parte dos danos era resultado de tornados pelo nível de destruição e o caráter localizado dos danos que se concentraram em faixas bem definidas do terreno.

Registros em vídeos, como feito por morador do município de Irienópolis. Confirmaram que houve tornados. No caso do vídeo de Irienópolis, é possível observar múltiplos vórtices associados à formação tornádica tocando o solo em determinado momento, o que é pouco comum de ver nos registros visuais deste tipo de fenômeno.

Os danos observados nos locais mais atingidos são compatíveis com tornados variando de F1 a F2 na escala de Fujita, logo em alguns pontos o vento pode ter ficado perto ou mesmo atingido os 200 km/h. A escala vai de F0 (tornados menos destrutivos) a F5 (arrasador).

As condições atmosféricas eram propícias à formação de tempestades severas e com o potencial para tornados. Imagens de radar da tarde da sexta-feira mostravam a presença de supercélulas de tempestade no Oeste e no Meio-Oeste de Santa Catarina e que foram responsáveis por temporais de grande severidade por vento e granizo.

Havia a atuação de um cavado (área de menor pressão atmosférica), uma frente fria avançava de Sul e, especialmente, sobre o Oeste e o Meio-Oeste de Santa Catarina havia uma corrente de jato em baixos níveis da atmosfera. Trata-se de um corredor de vento com ar quente que se origina na Bolívia e vai até o Sul do Brasil a cerca de 1.500 metros de altitude (nível de pressão de 850 hPa). Este fenômeno, jato de baixos níveis, gera o perfil divergente de vento na atmosfera (cisalhamento), e está presente na maioria esmagadora dos episódios de tornados no Sul do Brasil.

A MetSul havia advertido do risco de tempo severo ontem no Sul do Brasil com avisos de risco de tempestades de vento e granizo na região. É importante enfatizar que não se tratou de um ciclone bomba, em face de alguns comentários em rede social, e não houve nem chegou perto de haver qualquer ciclogênese explosiva afetando o Sul do país no dia de ontem.