Inês Konflanz

Frio à noite, mesmo intenso, é característica de parte do outono e da primavera, mas frio à tarde (o dia todo) é marca típica do inverno. Foi o que se sentiu hoje no Rio Grande do Sul no primeiro dia do denominado inverno climático, o período compreendido pelo trimestre de junho a agosto. 

Muitas cidades gaúchas tiveram a tarde mais fria desde o inverno do ano passado. Foi o caso de Porto Alegre, onde a máxima mesmo com sol foi de apenas 15,5ºC na estação do Instituto Nacional de Meteorologia, no bairro Jardim Botânico. A última vez que se teve máxima tão baixa foi em 19 agosto de 2019, quando o termômetro indicou 14,4ºC. 

Em Novo Hamburgo, no bairro de Lomba Grande, as duas estações do local anotaram as menores máximas desde agosto passado. A situada em ponto de maior altitude (100 m) teve máxima de 15,1ºC, a menor desde os 14 de agosto de 2019, quando fez 14,6ºC. Já na estação de baixada (35 m), a máxima de 15,7ºC foi a mais baixa desde os 15,6ºC de 19 de agosto do ano passado. 


A máxima na cidade de São Luiz Gonzaga foi 13,1ºC, a menor desde 27 de julho de 2019 que teve 12,3ºC. Em Cruz Alta, a temperatura máxima de 11,3ºC foi a mais baixa desde 27 de julho do ano passado, quando fez 11,0ºC. Em Bagé, a temperatura não passou de 13,3ºC. Frio maior à tarde pela última vez em 20 de agosto de 2019 com 11,7ºC. 

A massa de ar frio será responsável por madrugadas geladas no Rio Grande do Sul nesta terça e na quarta-feira com geada principalmente em pontos do Centro, Oeste e o Sul gaúcho. Na quinta, o ar frio começa a enfraquecer antecedendo o retorno da chuva para o Estado.