Há muitos meses o estado do Paraná enfrenta déficit de precipitação muito grande o que já deflagrou uma crise hídrica com impacto negativo em vários setores, em especial o agrícola. Alem dos impactos econômicos e de abastecimento de água, o desconforto a população é outra conseqüência importante que deve ser avaliada. 

A Metsul com base nos dados do INMET fez um levantamento do comportamento da temperatura e da umidade no município de Cidade Gaúcha e a primeira metade do mês foi extremamente seca.

O ultimo episodio de chuva ocorrido no município foi no dia 19 de agosto quando a estação meteorológica do Inmet registrou 50,8 mm, dia em que a umidade relativa do ar ficou ao redor de 90% no turno da tarde.


Entretanto, desde então o estado praticamente não teve mais chuva e a umidade despencou na mesma medida em que a temperatura disparou e sob efeito cumulativo do ar seco, da falta de chuva e da influência de uma corrente de vento norte aquecida.

Desde o dia 27 de agosto a temperatura máxima diariamente tem sido predominantemente superior a 30°C no município com registro baixa umidade relativa do ar.

Inpe

O mapa de anomalia da temperatura máxima para o mês de setembro indica um desvio de até 5°C em alguns pontos do Paraná, ou seja, neste período as tardes têm sido ao pelo menos 5°C mais quentes que o normal. Nesta região, a temperatura máxima média (normal) para o mês de setembro é 27°C. Igualmente a precipitação foi escassa.


Inpe

O cenário gradualmente muda nesta segunda metade de setembro com o avanço de uma frente fria que traz instabilidade para o Noroeste e o Norte do Paraná depois de muito tempo. A precipitação será pouca ou nula na região, mas haverá um refresco do calorão nos próximos dias. 

O meteograma com a projeção de chuva do modelo GFS, disponível para todos os municípios brasileiros na seção de gráficos, mostra uma tendência de chuva mais abundante no final do mês e no começo de outubro para Cidade Gaúcha.