Existe fenômeno comum no inverno na região polar do Hemisfério Norte, contudo raro na Antártida chamado Súbito Aquecimento Estratosférico ou Sudden Stratospheric Warming (SSW), em Inglês. 

O que é? Ocorre quando a temperatura na estratosfera (até 50 quilômetros acima da superfície) no polo sobe mais de 25ºC. Nestes eventos, parcela de ar de parte mais baixa da atmosfera, a troposfera, ascende pras partes mais altas (estratosfera). 

Isso afeta o chamado vórtice polar e as correntes de jato (de vento em grande altitude) no hemisfério. Aquece a região polar e ocorrem erupções de ar frio em latitudes médias à medida que o vórtice tende a se formar em latitudes menores e mais distantes do polo.

Tais eventos costumam preceder em dias ou semanas ondas de frio fortes nos Estados Unidos, Europa e Ásia. Algumas vezes em apenas uma destas regiões e às vezes em todas.

A projeção é que a pressão atmosférica no centro da Antártida aumente muito com valores incomuns na região acima de 1040 hPa, como se vê no mapa abaixo da região polar do Hemisfério Sul.

A expectativa é que a chamada Oscilação  Antártica despenque nos próximos dias com valores muito negativos. Quando a AAO entra em sinal negativo há uma maior propensão ao ingresso de ar polar no Sul do Brasil. 

Há casos documentados no Hemisfério Sul pelo serviço meteorológico neozelandês (NIWA) em setembro de 2002 e em setembro de 2010. Há uma possibilidade muitíssimo real que haja impactos aqui no Sul do Brasil e em outras áreas do Hemisfério Sul nas próximas semanas com frio tardio e aumento da chuva no Sul do Brasil, onde muitas áreas passam por estiagem. 

No caso da Nova Zelândia, em 2002 e 2010 houve reflexos com mais chuva e muito frio. Em 2002, setembro teve episódios de frio muito intenso no país com alta frequência de geada. Em 2010, choveu muito e fez frio no Sul neozelandês.

Aqui, setembro de 2002 foi mais frio e chuvoso que a média com onda de frio intenso e neve no começo do mês. Já setembro de 2010 teve temperatura perto ou abaixo da média com chuva acima da média na maioria das regiões gaúchas. 

O evento de Súbito Aquecimento Estratosférico deve ter seu pico entre os dias 29/8 e 2/9, conforme as projeções dos modelos numéricos rodados por supercomputadores.