Anúncios

No Sul do Brasil, bloqueio atmosférico irá predominar na maior parte do  Sul do Brasil nos próximos dez dias. Em Santa Catarina, será um período muito seco com baixa umidade e o calor aumentando gradativamente pelo Oeste. A atmosfera muito seca com ar quente e seco favorece maior incidência de queimadas. No Rio Grande do Sul, entre terça e quarta o tempo seco predomina em boa parte das áreas (exceto algum episodio isolado no Extremo Sul). A partir de quinta, o Estado terá tempo instável com chuva na Metade Sul com alerta para excessos isolados e temporais localizados. Já a Metade Norte terá ar seco associado ao bloqueio que sustenta o tempo firme com sol e temperatura alta.

No Sudeste do Brasil, padrão típico de inverno predominará nos próximos dias. A baixa umidade relativa do ar associada à temperatura alta favorece o aumento no risco de queimadas em grande parte do interior dos estados de São Paulo e de Minas Gerais. No setor Leste da região, a circulação de umidade traz aumento de nuvens e chuva esparsa entre os litorais de São Paulo e do Rio de Janeiro, o Leste de Minas Gerais e no Espírito Santo. Nos primeiros  dias do mês de setembro, a chuva se intensifica e poderão ocorrer episódios de chuva forte entre o Espírito Santo e o Nordeste de Minas Gerais. Entre o Rio de Janeiro e o leste de São Paulo, previsão de umidade, nuvens e pancadas esparsas de chuva.  No Oeste da Região Sudeste, o padrão de tempo seco se mantém nos próximos dez dias.

No Centro-Oeste, os próximos dez dias apresentarão padrão típico de inverno com a manutenção de uma massa de ar seco que garante a presença do sol na maior parte da região. Além disso, a baixa umidade relativa do ar, associada ao ar seco e quente, traz um risco extremo de queimadas. Na segunda metade desta semana o tempo muda no Mato Grosso, especialmente na divisa com Rondônia, Amazonas e Tocantins  com previsão de aumento de nuvens e pancadas de chuva.


Chegamos ao Nordeste. Nos últimos dias do mês de agosto, o tempo fica seco em boa parte do interior da região, sobretudo no  sertão nordestino. Entre o litoral e a Zona da Mata as nuvens aparecem com pancadas de chuva passageiras durante as tardes. No Maranhão, o sol predomina alternando com períodos de nuvens e pancadas de chuva. Entre os dias 1° e o dia 3 de setembro, a instabilidade aumenta entre o litoral e a Zona da Mata com previsão de chuva mais volumosa com acumulados que poderão oscilar entre 30 e 60 mm. As nuvens aumentam entre  o Ceará e o Rio Grande do Norte, com algum potencial de chuva.

E, finalmente, o Norte. A chuva volta a se espalhar por grande parte da região. As precipitações vão a cada dia avançando mais de Norte para Sul até alcançar muitas áreas até a sexta-feira. No Tocantins e no Acre, a semana em geral ainda será de tempo seco e quente. No setor Norte da região são esperados os maiores acumulados do período com projeção de volume ao redor de 100 mm em alguns pontos. No Norte do Pará e em pontos isolados do Amazonas também poderá chover forte, especialmente na segunda metade da semana.

Anúncios