Anúncios

Mauro Schaefer/Correio do Povo

O período de calor extremo com 15 dias seguidos de máximas acima de 40ºC no Rio Grande do Sul, muito provavelmente sem precedentes na história gaúcha, acaba em chuva intensa em algumas cidades e temporais isolados. Foi o caso da capital gaúcha no final da tarde desta quarta-feira.

Um aguaceiro atingiu apenas parte da cidade de Porto Alegre no final da tarde de hoje causando grandes alagamentos. Os maiores volumes de chuva se deram no eixo das avenidas Ipiranga e Bento Goncalves com acumulados muito altos em bairros como Cidade Baixa, Menino Deus, Medianeira, Azenha, Santo Antônio, Partenon e Jardim Botânico.


O acumulado de chuva apenas em uma hora, entre 17h e 18h, na estação do Instituto Nacional de Meteorologia no Jardim Botânico, chegou a 47 mm.

Há muito tempo a estação não registrava volume tão alto em tão curto período que equivale à quase metade da média histórica de precipitação do mês de janeiro inteiro na cidade de Porto Alegre de 100,1 mm.


Entre 18h e 19h choveu mais 8,6 mm e entre 19h e 20h o acumulado foi de 0,6 mm. Significa que em apenas duas horas choveu no Jardim Botânico 55% da média do mês todo.

Guilherme Rocket/SBT-RS

Guilherme Rocket/SBT-RS

Guilherme Rocket/SBT-RS

Guilherme Rocket/SBT-RS

Outros pontos de medição na capital, até às 21h00 (hora de fechamento deste material), apontaram 45 mm na Cidade Baixa e 30 mm no Centro. Em muitos bairros mais ao Norte e o Sul da cidade pouco choveu, sinalizando como foi localizada a chuva extrema que atingiu parte de Porto Alegre.

O aguaceiro do final da tarde trouxe alagamentos com pontos até intransitáveis em vários locais da área central e da zona Leste da capital gaúcha como os maiores impactos em ruas e avenidas como a Lima e Silva, Carlos Barbosa, Ganzo, José de Alencar, Azenha, Ipiranga e Bento Gonçalves.

A água também invadiu o estacionamento no subsolo do Shopping Praia de Belas, deixando clientes e carros ilhados. Em comunicado, a assessoria do estabelecimento relatou que “registrou acúmulo de água em parte do primeiro piso do prédio garagem, sem danos para o empreendimento e clientes”. Houve alagamentos também no Hospital Mãe de Deus que em nota informou que alguns serviços poderão ser afetados nesta quinta-feira.

O temporal do fim da tarde desta quarta-feira deixou pelo menos 90 mil pontos sem luz no Rio Grande do Sul. Eram 47 mil clientes sem energia na área de concessão da CEEE Grupo Equatorial. Na região metropolitana, o número de consumidores desabastecidos chegava a 44 mil, principalmente em Porto Alegre, Guaíba, Alvorada, Viamão e Eldorado do Sul. A RGE, que ainda trabalha para restabelecer o fornecimento para 2,8 mil pontos no Vale do Rio Pardo, registrava às 20h15 outros 40 mil nas regiões Central, Norte e Vale do Taquari.

O temporal em Porto Alegre ocorreu em razão da formação de uma grande nuvem de temporal que avançou de Oeste para a cidade e se intensificou sobre o perímetro urbano da capital gaúcha justamente sobre os bairros mais atingidos, onde despejou um grande volume de água.

De pontos mais ao Norte e ao Sul da cidade, onde pouco choveu, se observava a nuvem com muitos raios e frequentes trovoadas. A nuvem de temporal com chuva extrema isolada decorreu da combinação de calor e umidade com a aproximação de uma frente fria no Sul do Estado. A máxima em Porto Alegre chegou a 36,8ºC.

Muitas nuvens cobrem Porto Alegre e chove em parte do dia pela atuação de frente fria nesta quinta. Ar mais frio de Sul ao encontrar o ar quente e úmido sobre a região pode voltar a trazer chuva localmente forte a torrencial com alagamentos em pontos da região. O vento vira para o quadrante Sul, moderado, e começa a ingressar ar frio. Temperatura tem acentuada queda e estará agradável após duas semanas tórridas com máxima ao redor dos 26ºC e mínima no fim do dia em torno de 20ºC a 21ºC.

Anúncios