Porto Alegre (foto) deve ter calor intenso apenas na quinta-feira antes de uma sequência de dias de tempo instável | Fernando Oliveira

O calorão de 40ºC está de volta. A trégua das marcas acima de 40ºC no Rio Grande do Sul durou menos de uma semana. Para ser mais exato, seis dias separam o último registro na casa de 40ºC da onda de calor de janeiro e as marcas elevadíssimas desta terça-feira. As máximas hoje alcançaram 40,2ºC em Santa Rosa e 40,3ºC em Porto Xavier, no Noroeste do Estado, e foram anotadas em estações automáticas particulares.

Na rede do Instituto Nacional de Meteorologia, a maior máxima hoje foi de 38,0ºC em São Luiz Gonzaga. Os termômetros na rede oficial apontaram ainda 37,7ºC em Uruguaiana, 37,0ºC em Alegrete e em Quaraí, 36,0ºC em Santiago, 35,7ºC em Santo Augusto e 35,5ºC em São Gabriel.

No Sul e no Leste do Estado, as máximas não foram altas. Fez 29,0ºC em Porto Alegre, 27,3ºC em Canguçu, 27,1ºC em Jaguarão e Capão do Leão, 27,0ºC em Camaquã e 25,2ºC na praia de Tramandaí. Isso porque no começo do dia passou uma frente fria de escassa atividade pela costa, o que trouxe nuvens nas primeiras horas da manhã em Porto Alegre, e proporcionou o ingresso de ar mais ameno no Leste gaúcho.


A previsão é de muito calor no Rio Grande do Sul nesta quarta e na quinta-feira. O calor ganha força e a tarde será escaldante durante a quarta na Fronteira Oeste e no Noroeste que terão máximas de 39ºC a 41ºC. No Sul e no Leste gaúcho, mesmo que não aqueça tanto quanto no Oeste pelo ar mais frio na costa que traz vento Leste, a tarde será de calor. Porto Alegre pode ter 34ºC a 35ºC.

Na quinta-feira, o calor mais intenso ocorrerá nos vales e na Grande Porto Alegre com máximas perto ou ao redor dos 40ºC em alguns pontos. Por sua vez, no Oeste e no Noroeste do Estado, seguirá muito quente, entretanto pancadas de chuva e temporais isolados ocorrerão da tarde para a noite na quinta e impedirão maior aquecimento e máximas tão altas quanto as previstas para esta quarta nestas regiões.


A enorme diferença de agora para o último mês é que este período de temperatura muito alta não será prolongado. Ao contrário, a tendência é que seja muito breve. Diferentemente de janeiro não haverá uma bolha de calor se instalando sobre o Rio Grande do Sul e impedindo sistemas frontais de romperem o ciclo de alta temperatura. Agora, na sexta-feira, uma frente fria traz chuva ampla no estado gaúcho e provocará queda da temperatura, apesar de o abafamento permanecer.

Em janeiro, foram duas semanas de calor inesquecível no Rio Grande do Sul. A rede do Instituto Nacional de Meteorologia registrou 13 dias consecutivos em que as máximas bateram em 40ºC. Fez 41,5ºC em Quaraí no dia 12; 41,7ºC (recorde absoluto de 110 anos) em Bagé no dia 13; 40,8ºC em Bagé no dia 14; 40,6ºC em Uruguaiana no dia 15; 41,8ºC em Uruguaiana dia 16; 40,2ºC no dia 17 em Teutônia; 41,1ºC em Santa Rosa em 18 de janeiro; 41,5ºC em São Luiz Gonzaga no dia 19; 42,1ºC em Uruguaiana no dia 20; 41,8ºC dia 21 em Uruguaiana; 41,6ºC dia 22 em Uruguaiana; 42,1ºC dia 23 em São Luiz Gonzaga; 41,2ºC dia 24 em São Luiz Gonzaga; 39,6ºC dia 25 em São Luiz Gonzaga; e 39,5ºC dia 26 em Campo Bom. Já estações particulares acusaram 42,3ºC em Santa Rosa no dia 25 e 40,7ºC dia 26 em Parobé.