A fronteira com o Uruguai foi a região que mais teve chuva, como esperado no Rio Grande do Sul na primeira metade da semana. Jaguarão teve 60 mm, o mais alto volume desde janeiro. Arroio Grande passou dos 40 mm. Cidades como Bagé, Dom Pedrito, Santa Vitória do Palmar e o Chuí anotaram de 30 mm a 35 mm. No restante do Estado, exceção de alguns municípios do Oeste e do Sul, tal como se previu, não registraram chuva e a frente fria passou sem atividade e apenas aumento de nuvens.

Agora, todos perguntam quais serão as novas oportunidade de chuva no Rio Grande do Sul?

Os próximos dias oferecem várias janelas de oportunidade. Nesta quinta áreas de instabilidade devem trazer chuva para pontos do Oeste e que pode, de acordo com alguns dados, alcançar locais até do Centro e da Metade Norte do Estado até o fim do dia.

Amanhã, sexta-feira, deve chover em pontos do Oeste, do Centro, do Noroeste e o Norte do Estado. No fim de semana, não se descarta instabilidade em áreas próximas da costa, mas com volumes inexpressivos.

A grande expectativa é para uma frente fria que deve cruzar pelo Rio Grande do Sul entre segunda e terça-feira com chuva que deve alcançar mais cidades e com volumes maiores, especialmente na Metade Norte.

Ontem, o modelo europeu começou a indicar algo que não vinha indicando e ainda não é certo: chuva na próxima quarta-feira por uma área de baixa pressão.

Projeção de chuva para os próximos sete dias do modelo alemão Icon

Os próximos dias, assim, reservam chuva para o Rio Grande do Sul, mas não será a solução para a estiagem que já quase meio ano. Haverá alívio em parte do Estado, mas um déficit hídrico de quase seis meses não se recupera em poucos dias.