A MetSul Meteorologia adverte para índices UV muito altos a extremos no Rio Grande do Sul e a necessidade de se buscar proteção do sol e se evitar exposição prolongada pelos riscos à saúde. Os índices já foram muito altos neste sábado e seguirão bastante elevados neste domingo.

O mapa acima mostra a projeção de índice UV para o meio-dia deste domingo na América do Sul a partir de dados do modelo europeu CAMS, rodado pelo consórcio climático e ambiental Copernicus, da União Europeia.


O Rio Grande do Sul está sob efeito de uma grande massa de ar muito seco e quente, o que acaba por inibir a formação de nuvens e chuva com temperatura muito alta. Amplos períodos de céu claro ou escassa nebulosidade foram registrados neste sábado, o que deve se repetir neste domingo.

O tempo seco e aberto favorece o calor; De acordo com dados de estações oficiais, as máximas deste sábado no estado gaúcho foram de 39,8ºC em Quaraí, 38,8ºC em Uruguaiana, 38,3ºC em Santiago, 38,2ºC em Alegrete, 38,1ºC em Santiago e 38,0ºC em São Borja. Na Grande Porto Alegre, Campo Bom foi a 37,4ºC.

Com o tempo muito aberto e o calor, no auge da temporada de veraneio, muita gente está nas praias e busca balneários de águas doces, o que exige ainda maior atenção com a exposição ao sol nas horas de maior insolação entre o meio da manhã e o meio da tarde.


O que é o índice UV

Os valores IUV são agrupados em categorias de intensidades, segundo as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os raios ultravioletas A (UVA) têm incidência regular durante o ano todo, não diminuem no inverno e penetram profundamente na pele.

Os raios UVA são de médio grau de intensidade e responsáveis por manchas e rugas. Por sua vez, os raios ultravioletas B (UVB) alternam sua intensidade em alguns períodos do ano, e aumentam muito no verão, principalmente nas horas de maior radiação solar do dia (das 10h às 16h), aumentam o risco de câncer e têm alto grau de intensidade.

O IUV efetivo leva em consideração o IUV máximo obtido a partir das condições de céu limpo e meio dia solar, critérios estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde e as condições de nebulosidade na atmosfera em tempo quase real. A atualização do IUV corrigido é possível devido ao uso de imagens de satélites meteorológicos.

Cuidados com o sol

O Rio Grande do Sul é o estado que tem maior incidência de câncer de pele no Brasil, o que exige de sua população que redobre os cuidados na exposição ao sol. A taxa recorde de incidência entre todos os estados do país se explica pelo fato de mais de 80% da população possuir pele clara.


“O Estado conta com uma grande população de origem europeia, e muitos agricultores ficam expostos ao sol sem a proteção necessária. Isso aumenta muito a incidência de casos”, diz o cancerologista Sérgio Roithmann, do Hospital Moinhos de Vento.

Ele explica que a maioria dos casos é de tumores agressivos, mas o melanoma pode ser bem mais grave. Exposição excessiva ao sol – principal fator de risco -, cabelos e olhos claros, sardas, história prévia de câncer de pele na família e pintas escuras pelo corpo devem ser observados e investigados por um médico, advertiu.

O diagnóstico precoce possibilita uma alta chance de cura na fase inicial do câncer de pele. Os médicos recomendam o autoexame e que conheçam suas pintas, verificando assimetria, borda, cor e diâmetro. Ao identificar algo diferente, a orientação é buscar um dermatologista e fazer uma avaliação. (Com foto de capa de César Lopes/PMPA)