Senasa/Divulgação

A chegada da massa de ar frio reteve o avanço da nuvem de gafanhotos na província argentina de Corrientes. Segundo o último informe da Senasa, o órgão fitossanitário da Argentina, “devido à baixa temperatura estimamos que a nuvem não se moveu por grande distância e permanece nos arredores da cidade de Sauce”. 

O órgão acrescenta que “o objetivo é realizar ações pertinentes de controle” e que a “província de Corrientes tem a disposição um avião para realizar o tratamento”. Acrescenta que a área em que os seus técnicos estão trabalhando é de difícil acesso e escassos caminhos. 


A nuvem de gafanhotos levou o Ministério da Agricultura do Brasil a declarar estado de emergência fitossanitária nas áreas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, estados que podem ser afetados pelos insetos.

A nuvem de gafanhotos na Argentina está a 130 km em linha reta a Oeste do município gaúcho de Barra do Quaraí e do uruguaio de Bella Unión. 

Deve voltar a chover na região no final do mês, mas, novamente, com baixos volumes. Na sequência ingressará outra massa de ar frio ainda mais forte. 


Dados do Serviço Meteorológico Nacional da Argentina (SMN) da madrugada desta sexta-feira (26) mostravam grande parte da província de Corrientes com marcas abaixo de 7°C. Às seis horas da manhã, os termômetros indicavam na província de Corrientes 6,4°C na cidade de Corrientes, 6,1°C em Paso de los Libres e 4,0°C em Monte Caseros. 

Deve voltar a chover na região onde estão os gafanhotos da tarde para a noite da segunda-feira (29) e ainda entre terça (30) e quarta (1). Na sequência, ingressará na área uma massa de ar polar muito forte e que trará frio intenso que é muito desfavorável à praga.