Anúncios

Um garoto se refresca na fonte da Piazza Castello, em Turim, em 12 de agosto de 2021, durante a onda de calor histórico que trouxe o recorde de 48,8ºC na Sicília na véspera | MARCO BERTORELLO/AFP/METSUL METEOROLOGIA/ARQUIVO

A Organização Meteorológica Mundial confirmou que a Europa continental registrou em 2021 a sua temperatura mais alta desde o começo dos registros, atingindo 48,8ºC na Sicília (Itália), e alertou que novos extremos devem ser esperados no futuro próximo.

O calor abrasador em 11 de agosto de 2021 foi quase 1ºC mais alto do que o pico anterior registrado em 10 de julho de 1977 nas cidades gregas de Atenas e Elefsina, que atingiram 48°C, informou a organização. O recorde de 1977 não foi verificado de forma independente pela OMM.


“Um painel internacional de cientistas atmosféricos verificou a temperatura registrada por uma estação meteorológica automatizada em Siracusa, na ilha italiana da Sicília”, disse a agência meteorológica das Nações Unidas.

“É possível, de fato provável, que ocorram extremos ainda maiores na Europa no futuro”, disse o Professor Randall Cerveny, relator sobre extremos climáticos e meteorológicos da OMM. “Essa investigação demonstra a tendência alarmante de continuar a estabelecer recordes de alta temperatura em regiões específicas do mundo”, afirmou.


Com as emissões causadas pelo homem aquecendo o planeta, a Europa está aquecendo cerca de duas vezes mais rápido do que a média mundial — 2,2ºC nos últimos cinco anos em comparação com a era pré-industrial.

A OMM disse que levou até agora para certificar o recorde de 2021 porque a agência teve um “cuidado meticuloso” para garantir que fosse preciso. A Europa tem sofrido ondas de calor e incêndios florestais nos verões recentes, incluindo em ilhas turísticas gregas como Rodes.

Novos recordes confirmados são incorporados no relatório anual autorizado do Estado do Clima da OMM, que informa as decisões de alto nível sobre como lidar com o aquecimento global.

“Essa avaliação minuciosa fornece a confiança crítica de que nossos registros globais de temperaturas estão sendo adequadamente medidos”, disse a OMM. “Novos registros adjudicados fornecem um ponto de referência autorizado para comparar extremos de registro nos relatórios anuais do Estado do Clima da OMM em escalas global e regional”.

Os cientistas dizem que eventos climáticos extremos — incluindo ondas de calor, secas e inundações — estão se tornando cada vez mais frequentes à medida que o clima aquece, causando impactos nas economias, ecossistemas, saúde, agricultura e abastecimento de água.

As descobertas da agência sobre o recorde de calor de 2022 foram publicadas no Jornal Internacional de Climatologia. Os especialistas da OMM estão atualmente conduzindo verificações em vários outros extremos — “instantâneos do nosso clima atual” — incluindo se o ciclone tropical Freddy quebrou o recorde no ano passado como o ciclone tropical de duração mais longa.

A MetSul Meteorologia está nos canais do WhatsApp. Inscreva-se aqui para ter acesso ao canal no aplicativo de mensagens e receber as previsões, alertas e informações sobre o que de mais importante ocorre no tempo e clima do Brasil e no mundo, com dados e informações exclusivos do nosso time de meteorologistas.

Anúncios