Kemal Jufri/Greenpeace

A crise econômica relacionada ao coronavírus pode ter desencadeado uma queda repentina nas emissões globais de gases de efeito estufa, mas outra métrica crucial para determinar a gravidade do aquecimento global - a quantidade de gases de efeito estufa no ar - atingiu um recorde.

De acordo com dados do Scripps Institution of Oceanography e da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), a quantidade de CO2 na atmosfera em maio de 2020 atingiu uma média ligeiramente superior a 417 partes por milhão (ppm). Esse é o valor médio mensal mais alto já registrado e superou os 414,7 ppm em maio do ano passado.


Agora, os níveis de dióxido de carbono são os mais altos da história da humanidade e provavelmente os mais altos em 3 milhões de anos. Na última vez em que houve tanto CO2 na atmosfera, as temperaturas médias globais da superfície foram significativamente mais quentes do que são hoje, e o nível do mar foi quase 30 metros  mais alto.

O aumento contínuo das concentrações de CO2 na atmosfera pode parecer surpreendente, à luz de descobertas recentes de que a pandemia de coronavírus e os bloqueios associados levaram a uma queda acentuada nas emissões globais de gases de efeito estufa, atingindo um declínio de 17% no início de abril, mas a quantidade total de CO2 que acaba na atmosfera é impulsionada não apenas pelos níveis de emissão humana, mas também por processos na superfície da terra (especialmente florestas) e nos oceanos que flutuam anualmente.


De acordo com um comunicado da Scripps anunciando as descobertas, as reduções de emissões de CO2 na ordem de 20 a 30% precisariam ser mantidas por seis a doze meses para que o aumento do CO2 atmosférico diminuísse de maneira detectável.

“O acúmulo de CO2 é um pouco como lixo em um aterro. Enquanto continuamos emitindo, ele continua se acumulando”, disse Ralph Keeling, que dirige o programa de monitoramento de dióxido de carbono da Scripps, e cujo falecido pai, Charles David Keeling, iniciou as medições no Observatório Mauna Loa, no Havaí, em 1958.

A taxa de aumento do dióxido de carbono, gás estufa de longa duração na atmosfera, está acelerando. Na década de 1960, a taxa de crescimento anual era de cerca de 0,8 ppm por ano. Dobrou na década de 1980 e subiu para 2,4 ppm por ano durante a última década. Várias linhas de evidência mostram que a causa desse aumento são as emissões de gases de efeito estufa provenientes de atividades


A alta anual vai até maio, antes que os níveis de CO2 diminuam temporariamente à medida que árvores e plantas no Hemisfério Norte absorvem grandes quantidades de gás que aquece o planeta durante a estação de crescimento do verão. Embora os níveis de CO2 exibam um ciclo sazonal, a tendência geral de alta é clara.

A taxa de aumento de maio de 2019 a maio deste ano foi mais lenta do que no período comparável a 2018 a 2019, mas fatores naturais como eventos de El Niño no Oceano Pacífico tropical e mudanças nos sumidouros de carbono terrestre, como florestas, podem ter uma grande influência sobre isso de ano para ano.

A combinação do uso recorde de combustíveis fósseis e condições fracas do El Niño entre maio de 2018 e 2019 podem explicar o aumento acima da média no CO2 atmosférico de 3,5 ppm naquele ano.

De acordo com Rob Jackson, especialista em emissões da Universidade de Stanford e do Projeto Global de Carbono, as emissões de incêndios florestais aumentaram em 2019 e 2020, contribuindo para o pico de maio, assim como as emissões de uso da terra no Brasil devido ao desmatamento e queimadas.

O pico de CO2 deste ano em maio marcou um aumento de cerca de 2,4 ppm em comparação com um ano atrás. A taxa média de aumento de 2010 a 2019 é precisamente a mesma em 2,4 ppm por ano, de acordo com a NOAA. O declínio do El Niño no ano passado pode ajudar a explicar por que o aumento no ano passado não foi tão grande quanto o anterior.

Como os níveis atmosféricos de CO2 são cumulativos, eles continuarão a aumentar até que as emissões líquidas sejam reduzidas a zero. Eles não diminuirão até que as atividades humanas e os ecossistemas naturais removam mais gases de efeito estufa do que os que estão sendo lançados no ar.

Moléculas de CO2, um agente de aquecimento global, podem permanecer na atmosfera por até 1.000 anos. Os cientistas alertam que estamos a caminho de atingir 450 ppm em meados do século, onde os níveis precisariam parar de aumentar para ter uma chance decente de cumprir as metas do acordo climático de Paris, que procura limitar a mudança climática a bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais até 2100.