Divulgação

O Rio dos Sinos atinge o menor nível em Novo Hamburgo desde 1998, conforme medições da empresa de água e saneamento local Comusa. O menor nível registrado até então havia ocorrido durante a estiagem de verão em 2012, quando o rio chegou a 1,96 metro. Ontem, estava em 1,88 metro. 

O Consórcio Pró-Sinos alerta a população dos municípios da bacia do Rio dos Sinos: o consumo consciente de água é a única forma de evitar a falta desse recurso tão importante, especialmente em tempos de pandemia.

Em Campo Bom, onde se localiza a captação e o tratamento de água da cidade e de mais três municípios (Sapiranga, Estância Velha e Portão), nos últimos dias o nível do Rio dos Sinos chegou a 90 centímetros – o menor desta temporada. O normal é entre 2 e 3 metros. 

“O cenário é dramático. Ainda mais numa pandemia, quando a água é o principal insumo para prevenção do avanço do novo coronavírus”, alertou o secretário de Meio Ambiente de Campo Bom, João Flávio da Rosa em entrevista ao jornal NH. 

O diretor-técnico do Pró-Sinos, Hener de Souza Nunes Júnior, destaca que o engajamento da população é fundamental para que não haja desabastecimento. “Estamos muito próximos do limite. Agora as pessoas estão mais em casa e isso aumenta o consumo, mas todos precisam se conscientizar. Não se deve encher piscinas e lavar carros, calçadas, molhar plantas com mangueira neste momento”, orientou.

A bacia do Rio do Sinos terá chuva na quinta-feira. Conforme a análise da MetSul, os volumes devem ser suficientes para trazer um aumento do nível do rio, mas insuficientes para garantir uma situação confortável para as próximas semanas. Será uma melhora temporária apenas a crise hídrica permanecerá.