A análise da MetSul para os próximos dez dias indica pouca chuva no Centro-Sul do Brasil. A massa de ar muito seco e quente vai se reforçar bastante sobre o Brasil Central e trará chuva escassa para quase toda a área que compreende Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás. Chama a atenção como a atmosfera deve aquecer demais no Brasil Central neste fim de agosto, levando a dias de calor extremamente forte com máximas perto ou acima de 40ºC no Centro-Oeste brasileiro. Haverá nitidamente padrão de bloqueio atmosférico que manterá a chuva retida entre o Prata e o Rio Grande do Sul, mas mesmo no estado gaúcho os volumes mais altos devem se limitar aos setores Oeste e Sul.

Destaque e alerta para os altos volumes de chuva prognosticados pelos modelos numéricos para o Uruguai nos próximos dez dias com acumulados de até 150 a 200 mm, mas que acreditamos serão até superiores em algumas áreas do país com potenciais problemas como inundações, bloqueio de rodovias por alagamentos e desabrigados (evacuados). O modelo canadense (abaixo) chega a sinalizar volumes de 200 mm a 300 mm. Todos os dados hoje analisados coincidem em indicar que a área de Montevidéu seria uma das mais afetadas pelo excesso de precipitação.

 

Modelos indicam um primeiro evento de chuva volumosa no Uruguai agora entre quinta (24) e o sábado (26) e um segundo na metade da próxima semana, entre os dias 30 e 31. No começo de setembro, novamente, poderia voltar a ter chuva intensa no território uruguaio. Cabe advertir que como esses eventos de chuva no Uruguai ocorrerão por um padrão de bloqueio com alimentação de ar quente pelo Norte, as condições tendem a ser favoráveis não apenas a chuva com elevados volumes, mas também a tormentas como registro de granizo e vento forte. O maior risco é granizo que isoladamente pode trazer danos com pedras de tamanho maior.