Centro de baixa pressão vindo do Paraguai começa a dar origem entre hoje e amanhã a um novo ciclone extratropical sobre o Leste do Estado e a costa.

A MetSul reitera que este sistema não será tão intenso quanto o último e que não se espera uma ciclogênese explosiva que caracteriza o sistema como “ciclone bomba” na costa. 

A MetSul enfatiza novamente que, mesmo havendo previsão de vento forte para parte do Estado, o grande risco deste novo ciclone será excesso de chuva. Em Porto Alegre e região metropolitana, a chuva deve ser mais forte da tarde para a noite desta terça e no começo da quarta. 


Veja, na sequência, a evolução da chuva e da pressão atmosférica de três em três horas hoje e amanhã em mapas do modelo alemão Icon, disponível ao assinante com atualização a cada seis horas na seção de mapas. Veja como a chuva mais forte do Norte gaúcho desce para a Grande Porto Alegre na segunda metade da terça e como a baixa pressão se aprofunda e forma um ciclone no final da terça e durante a quarta com o sistema avançando de Norte para Sul, margeando o Litoral do Rio Grande do Sul. 

9h de terça

12h de terça

15h de terça

18h de terça

21h de terça

0h de quarta

3h de quarta

6h de quarta

9h de quarta

12h de quarta

15h de quarta

18h de quarta

21h de quarta

Os volumes devem ser muito altos na Metade Norte com marcas perto ou acima de 100 mm em grande parte da região, mas preocupam, especialmente, as áreas da Serra, da Capital, da Grande Porto Alegre e do Litoral Norte que estão entre as que deve ter os maiores acumulados perto ou acima de 100 mm em muitos pontos e índices pluviométricos até de 150 mm a 200 mm em algumas localidades. 

Projeção de chuva do modelo alemão Icon para hoje e amanhã.

Com isso, haverá alagamentos, inundações, transbordamento de arroios e córregos, e possíveis deslizamentos de terra e queda de barreiras. O grande risco, contudo, está nos rios. A chuva excessiva da última semana e a registrada durante o domingo deixou os níveis dos rios elevados e agora vem um episódio de chuva maior. 


A MetSul Meteorologia analisa como crítico o risco de enchentes. Os rios que merecem maior atenção são dos do Nordeste gaúcho e com nascentes na Serra e no Litoral Norte como o Taquari-Antas, Caí, Sinos, Paranhana e Gravataí. Todos cujas vazões chegarão ao Guaíba na próxima semana, trazendo risco de cheia. 

A chuva deve vir com vento que deve ter rajadas, em média, entre 60 km/h e 80 km/h entre a tarde e noite desta terça e a primeira metade da quarta no Sul e no Leste do Estado, mas alguns pontos podem bater 90 km/h ou mais.


O vento deve ser mais forte principalmente na tarde e noite de hoje e na próxima madrugada. São esperados cortes de luz, mas em menor extensão que durante o último ciclone. 

Amanhã, o sistema começa a se afastar ao avançar pelo Atlântico, mas sua circulação trará chuva no decorrer do dia ainda para o Sul gaúcho e que pode ser localmente forte.