Anúncios

Trombas d´água se formaram no final da manhã desta sexta-feira no litoral da cidade de Florianópolis, impressionando moradores que gravaram vídeos dos funis sobre o mar. Uma tromba se formou muito perto da praia no Santinho, no Norte da ilha de Santa Catarina.


As trombas se deram sob uma condição de instabilidade na capital catarinense, que estava com céu encoberto e registro de chuva no momento em que os chamativos funis tiveram origem sobre o mar, sem alcançar terra.

Por isso, poucas pessoas estavam na beira da praia no momento em que as trombas se formaram em mar aberto. Além do tempo chuvoso, o mar também está mais agitado pelos ventos fortes associados a um sistema de alta pressão sobre o Atlântico Sul.

Florianópolis registra instabilidade desde cedo nesta quarta-feira com céu encoberto ou muitas nuvens com períodos de chuva. O aeroporto da capital catarinense reportou até trovoadas no começo da tarde.

Os dias têm sido de muita instabilidade na cidade com fluxo constante de umidade do mar para o continente com uma área de baixa pressão na costa do Sudeste do Brasil e um centro de alta pressão associada a uma massa de ar frio a Leste do Uruguai e do Rio Grande do Sul.

O acumulado de chuva em Florianópolis, na ilha, em 24 horas, até o começo da tarde desta sexta-feira era de 50 mm. Nas últimas 72 horas, alguns pontos da ilha somaram 80 mm. Somente nos últimos sete dias, a precipitação alcançou 190 mm na sede da Epagri, na ilha.

Novas trombas devem ser esperadas

A MetSul Meteorologia havia destacado que o cenário meteorológico era propício para a formação de trombas de água e nuvens funis no Sul do Brasil com uma área de baixa pressão em médios e altos níveis da atmosfera, um vórtice ciclônico que é também conhecido como “baixa fria”.

As baixas frias são centros de baixa pressão fechados com circulação ciclônica com ar mais frio envolvido e segregado dos seus arredores nos níveis superiores e médios da troposfera. A escala de uma baixa fria costuma ser menor, por exemplo, de um ciclone extratropical em sua fase madura.

O contraste térmico entre o ar mais frio segregado em altitude e o aquecimento na baixa atmosfera ou a temperatura da água mais alta, em superfície, favorece instabilidade. Com a maior vorticidade da atmosfera, o cenário se torna propício para rotação com a formação de nuvens funis e trombas.

Nos últimos dias, estes fenômenos foram mais observados em Santa Catarina e Paraná porque a atmosfera estava mais instável nestes dois estados enquanto no Rio Grande do Sul o tempo estava mais aberto com predomínio do sol na maioria das localidades.

Uma vez que a baixa fria permanece atuando sobre o Sul do Brasil e se espera aumento da instabilidade no Rio Grande do Sul, cresce a chance de aparecimento de nuvens funis e a formação de trombas nas lagoas ou sobre o mar na costa desta vez no território gaúcho, especialmente a partir deste fim de semana.

O que é uma tromba d´água?

Trata-se de um tornado sobre água, seja o mar, um rio ou uma lagoa. Uma tromba d’água é uma coluna giratória de ar que suga a água para fazer um funil tortuoso de água e nuvens conectando a água e o céu. Ocorrem principalmente sobre o oceano, mas podem ser registradas em águas interiores como rios e lagoas.

No Rio Grande do Sul já foram documentadas tanto nas lagoas como no mar. Elas são espetaculares no visual, mas de curta duração, geralmente não durando mais de cinco minutos (mas ocasionalmente até dez minutos).

Os ventos dentro da tromba d’água podem exceder 100 km/h e são capazes de causar grandes danos a embarcações. Se uma tromba avança para terra firme passa a ser designada como um tornado e, neste caso, pode criar ainda mais estragos.

Tornados que se original de trombas, via de regra, não são intensos e costumam ser F0 ou F1. As trombas d’água são, de certa forma, como os tornados que se formam sobre a terra. Enquanto os tornados estão associados comumente a enormes tempestades de supercélulas, trombas d’água podem se formar durante tempestades menores ou mesmo apenas chuvas ou a presença do tipo certo de nuvens.

E como as trombas d´água se formam? Trombas d’água podem se formar quando os ventos que sopram em duas direções diferentes se encontram. Ao longo da linha onde os dois ventos se cruzam (chamada de “linha de convergência” ou “linha de cisalhamento”), há muito ar girando perto da superfície.

O encontro do vento soprando de diferentes direções faz o ar ascender. A coluna de ar ascendente transporta vapor de água para o céu, onde gera tempestades e nuvens Cumulus. À medida que o ar sobe, ele pode inclinar parte do ar giratório horizontal perto da superfície na direção vertical. Quando esse giro vertical se concentra em um ponto específico, ele começa a sugar água e aí surge a tromba d’água.

Como as trombas d’água se formam na linha onde dois ventos se encontram, às vezes é possível ver uma linha de trombas d’água em uma fileira onde o ar giratório de baixo nível é sugado para cima em alguns pontos diferentes. Por isso, não raro são vistas várias trombas simultaneamente em regiões como a costa do Mediterrâneo ou no litoral do estado norte-americano da Flórida.

A MetSul Meteorologia está nos canais do WhatsApp. Inscreva-se aqui para ter acesso ao canal no aplicativo de mensagens e receber as previsões, alertas e informações sobre o que de mais importante ocorre no tempo e clima do Brasil e no mundo, com dados e informações exclusivos do nosso time de meteorologistas.

Anúncios